SICOS

Secretaria de Estado de Indústria, Comércio e Serviço

Sicos busca sinergias para incentivar a inovação na indústria, no comércio e no serviço

A Secretaria da Indústria, do Comércio e do Serviço (Sicos) está buscando parcerias com organizações e instituições catarinenses para fomentar a inovação na indústria, no comércio e no serviço. O objetivo é realizar reuniões para encontrar maneiras de aumentar a competitividade da indústria catarinense.

Nesta terça-feira, 28, o secretário da Sicos, Silvio Dreveck e o diretor, também da Sicos, Fabiano Ceretta, se reuniram com o presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (Fapesc), Fábio Wagner Pinto, e representantes da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (Fiesc), como José Eduardo Azevedo Fiates e Carlos José Kurtz. O objetivo foi discutir editais de inovação que possam aumentar ainda mais a competitividade da indústria catarinense.

O diretor de micro e pequenas empresas, Fabiano Ceretta, destaca que a reunião também serviu para discutir outros assuntos comuns e futuras parcerias em outras áreas que afetam a indústria. “Vamos prestar atenção especificamente em alguns setores que estão sofrendo impactos negativos”, explica.

Já na última segunda-feira, 28, o secretário da Sicos, Silvio Dreveck, o diretor de indústria, Anderson Anthony Linzmeyer e o gerente de novos negócios, Adílio Anísio, receberam o Gerente Regional Sul da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), Bruno Rodrigues Camargo. A Finep é uma Agência pública que financia a inovação, desde a pesquisa básica até a preparação do produto para o mercado. O objetivo foi estudar uma futura sinergia com o Programa de Desenvolvimento da Empresa Catarinense (PRODEC), um programa vinculado à Sicos que concede um incentivo para implantação ou expansão de empreendimentos.

Para o diretor de indústria, Anderson Anthony Linzmeyer, o Finep tem um papel importante para o desenvolvimento da economia brasileira e catarinense. “O Finep possui ações que apoiam o desenvolvimento de empresas brasileiras, de produtos, processos e serviços inovadores para a cadeia automotiva, por meio do financiamento não reembolsável a projetos. Essa sinergia pode ser um caminho para aumentarmos ainda mais a competitividade de nossas empresas”, enfatiza.

Texto: Pablo Mingoti